Quatro dias em Buenos Aires

Fiz essa viagem em outubro de 2013. Posso dizer que esta viagem foi, de fato, uma aventura!
Sempre que eu olhava preços de pacotes de viagens, via que ir à Buenos Aires não era tão caro e eu queria, é claro, viajar pro exterior....hahahahahahaha....
Foi quando um casal de amigos nos convidou para irmos passar quatro dias, sem filhos (ohhhh que decisão difícil a ser tomada) para que pudéssemos aproveitar ao máximo e já havíamos escutado que lá não era um lugar para crianças. Não que não existam coisas para se fazer, mas o bommmmm mesmo de lá é andar.... com destino, sem destino, à esmo.
Então, vamos às dicas:

Chegamos de madrugada e pegamos um táxi na saída do aeroporto. Tem uma fila pequena (acredito que seja porque estava tarde). Super fácil... tão fácil que pegamos um motorista que achava que estava nas filmagens de Velozes e Furiosos. E ele não falava com a gente... era monossilábico para responder nossas perguntas... mas chegamos são e salvos. Ufa!

Preferimos o bairro Recoleta. É longe do centro, do burburinho e, como não somos tão jovens assim, preferimos um bairro mais tranquilo e o achei bem charmoso. Uma graça. Ficamos no Hotel Wilton Palacewww.hotelwilton.com.ar
Na época, pagamos um pouco menos que R$600,00 pelas três diárias. No último dia, teríamos que sair do hotel 12:00, mas nosso vôo era no final da tarde, então ficamos com um quarto apenas e pagamos meia diária para que pudéssemos tomar um banho depois de caminhar (e correr), para aproveitar ao máximo nosso tempo.
Quartos limpos, mas vê-se que o hotel é antigo. A porta do nosso banheiro agarrava e fazia muito barulho à noite, quando o silêncio reinava em nosso quarto, por exemplo.

Dia 1
Na primeira hora da manhã, tomamos café (incluindo na diária e bem farto).
Fui com um certo receio, pq o café da manha dos hotéis de lá são bem ruins (comparados ao nosso) e eu lia isso em  todos os lugares. Fiquem atentos!!!!

Bora pra rua! Estava chovendo e fazia um pouco de frio; nada que pudesse atrapalhar nossos planos.
Nossa primeira parada foi na Livraria El Ateneo. Buenos Aires tem mais de 400 livrarias, mas essa com certeza é especial, tanto que virou ponto turístico da cidade e para nossa alegria, ela ficava na esquina do hotel... Oba!!!
PARADA OBRIGATÓRIA EM BUENOS AIRES!!!!
Eu sou uma amante dos livros e livrarias, mas mesmo para quem não se interessa pelo tema, vá. Ela é linda! Fica dentro de um antigo teatro, mantendo a cúpula e as varandas originais.
Enfim, depois de milhões de fotos e ohhhhh e passeios para lá e para cá, saímos ávidos pelo conhecimento de outros lugares...

Na verdade, não fizemos um roteiro para essa viagem, que para mim é um erro... Acabamos perdendo tempo e é claro, alguns lugares... ou pior, ficamos indo e voltando. Então, para qualquer lugar que se vá, faça um roteiro!

Pegamos o metrô e fomos para o centro.

Galeria Pacifico




Demos uma passada na Galeria Pacífico . Linda! Fica na Rua Florida, conhecida pelas lojas de couro e câmbio no meio da rua.
O que mais me chamou a atenção foi sua belíssima cúpula com murais realizados por diferentes pintores argentinos. Como todo lugar, ela estava lotada, afinal, estava chovendo.... Aproveitamos para experimentar uma tortilla e só de olhar dava água na boca... Delicia!







Queríamos conhecer o Teatro Colón... então lá fomos nós! www.teatrocolon.org.ar


Quando chegamos, parecia que todos tinham tido a mesma ideia... Estava lotado! Fomos à bilheteria e só haviam disponíveis visitas guiadas em espanhol. Vamos nessa. Por que não???
Pára tudo! Sabe aqueles lugares em que você visualiza que esta em outra época??? Eu estava num deles. Tinham muitas pessoas no nosso grupo, então não conseguimos escutar muita coisa; mas, na boa... Pra que??? Nos banqueteamos com tanta beleza e delicadeza na decoração e ainda demos uma sorte que havia um grupo tendo aula de violinos. Quase ficamos para trás, já que havíamos nos perdido no som incrível de tais instrumentos.

Saindo de lá, entramos em um ônibus no meio da rua e fomos tomar um café e comer churros no famoso Café Tortoni. www.cafetortoni.com.ar




A minha humilde opinião é de que os churros brasileiros são infinitamente melhores, mas valeu a visita pelo lugar, pela história e pela cerveja gelada que tomamos.
E a chuva não cessava....
Resolvemos (não sei dizer quem foi o louco que resolveu isso) ir andando pro hotel... Gente, minhas pernas, no final da caminhada, não respondiam aos meus comandos. Mas a palavra de ordem sempre é: nada de desânimo!


De volta ao hotel, nos arrumamos e ficamos esperando a van do Tango Esquina Carlos Gardél (pr.esquinacarlosgardel.com.ar) que iria nos pegar. Depois de pegar vários casais, chegamos!
Importante: compramos tudo pela internet antes de ir... Afinal não fomos, de todo, desorganizados!!!!kkk

Tínhamos comprado o show e o jantar. Então é tudo meio mecanizado. Entradas, prato principal, muito vinho e sobremesa... e fotos, muitas fotos. O show é lindo mas acho que não aproveitamos muito pq estávamos exaustos. Mas super indico que as pessoas vão à um show desses... é como ir à Roma e não ver o Papa.

Dia 2
Estava marcado de irmos ao Zoológico de Luhanwww.zoolujan.com
Fomos andando (isso já estava se tornando um hábito) até o Obelisco. A indicação é que, abaixo dele, haviam vans que levavam direto ao nosso destino.
Demos sorte! Haviam quatro lugares (tem que ser reservado ou comprado antes e não sabíamos). A van é bem confortável e foi nesse momento que pudemos observar a cidade com mais atenção. Pegamos uma rodovia (como a nossa Avenida Brasil) e o trajeto levou 1:30h mais ou menos. Quando chegamos lá, combinamos o horário de retorno e entramos.
Muitas pessoas criticam o trabalho feito neste zoológico. Dizem que os bichos são maltratados e dopados. Confesso que o leão me deixou intrigada e triste. Estava muito sonolento e só abria os olhos quando os tratadores o chamavam (fiquei com pena dele). Mas os outros bichos estavam bem espertos. Tirei uma foto com vários e estes brincavam com os tratadores atras de nós (inclusive quase morri do coração quando os tigres começaram a fazer barulhos e pular como crianças).















 Quando saímos, havia uma leoa brincando com aquelas patas enormes com um rapaz; pareciam duas crianças. A experiência foi incrível, mas concordo que, se eles são dopados e não treinados (como é dito), é uma maldade sem tamanho.
Sorveteria Freddo
Tirei fotos com o leão, urso (o único que não podíamos chegar perto), elefante, cobras, araras, filhotinhos de leão, puma e ainda subi num dromedário.



Acabou nosso tempo e voltamos para a cidade. Fomos direto à Sorveteria Freddo e nos acabamos nos imensos e engordativos sorvetes.






Felizes e cansados (mas não derrubados), voltamos ao hotel e nos arrumamos para jantar no Cabana Las Lilas. Fomos de táxi. Não tivemos muito tempo de experimentar muitos restaurantes, mas como vimos a indicação deste em vários blogs e vários amigos, resolvemos conferir.
Para os parâmetros da cidade, o restaurante é caro, mas ao convertermos, vimos que não era isso tudo. É o preço de um restaurante mediano do Rio de Janeiro. E a comida é esplêndida! Carne deliciosa, vinho de ótima qualidade e ambiente tranquilo e aconchegante (apesar de estar bem cheio e de termos ficado esperando uma mesa). Saímos de lá e resolvemos andar pelas ruas que margeiam o Rio e dar uma espiada na Puente de la Mujer. Fim de noite deliciosa!
Puente de la Mujer


Dia 3
Resolvemos pegar o "bus turístico" da cidade. O ticket dele vale por 24 horas e podemos descer sempre que quisermos e pegá-lo de novo. Em alguns pontos turísticos não descemos. Passamos em frente ao Teatro Colón, pelo Estádio do Boca Juniors, por algumas casas de shows de Tango e fomos "obrigados"a fazer uma parada num café. Aproveitamos para ir ao banheiro e tomar água.





De volta ao ônibus, passamos por vários bairros e resolvemos descer no Caminito. Lindo! Uma graça! Fiquei encantada. Fomos direto numa loja enooooorme de artigos de couro e já deixamos uma graninha por um casaco!
Pintando com a boca

Ao sairmos da loja, nos deparamos com um casal (inclusive o rapaz era brasileiro) que fica no meio da rua dançando tango com as pessoas e ganhando um dinheirinho. Claro que conversamos, dançamos e tiramos muitas fotos!
O Caminito é um lugar de compras e cores! Muitas cores. Muitos artistas na rua pintando, dançando, escrevendo. Inspirador!

Bob só no tango!


Paramos para um lanchinho. Claro que o bar tinha dançarinos de tango (parece que eles se multiplicam) e uma pizza deliciosa. Aproveitei para experimentar o refrigerante Paso de Los Toros. Com menos gás que os nossos, mas gostosinho... Passa!



De volta ao ônibus, a nossa próxima parada foi na Plaza San Martin.

Chega a ser intrigante a quantidade de praças que Buenos Aires tem e a tradição da cesta é levada à risca. No horário do almoço, ela fica bem cheia de pessoas conversando, lendo, comendo ou apenas descansando em seus gramados.

Nossa próxima parada foi a Casa Rosada (sede da Presidência da República). Lugar lindo (apesar de várias partes estarem em manutenção) e a surpresa do passeio, foi um quadro bem na entrada com uma pintura, nome e uma citação do nosso famoso "Tiradentes".



Ao sair de lá, voltamos correndo no hotel, pq tínhamos uma reserva no Chá da Tarde no luxuoso Hotel Alvear. Gente, carérrimo e paupérrimo no quesito quantidade e satisfação. Saímos mortos de fome e fomos direto à Pizzeria El Cuartito (indicação de uma amiga - obrigada). É um restaurante bem simples, que serve uma das melhores pizzas que já comi na vida.





Dia 4
Nosso último dia em Buenos Aires foi bem corrido, mas aproveitamos cada minuto. Acordamos cedo, resolvemos a questão dos quartos e bora bater pernas!!!
Planetário
Pegamos o ônibus turístico novamente e passamos pelo Círculo militar, novas praças, a famosa Rosa Metálica (monumento Floralis Genérica), o bairro de Palermo. Andamos pelo centro. Estava um solzinho delicioso, mas um ventinho de matar... Ficamos do lado de fora do Planetário (lugar lindo para se caminhar sem  pressa e tirar muitas fotos).




Continuamos andando e encontramos o Jardim Japonês. Os homens não quiseram entrar, então só fomos eu e a Débora. Preciso dizer que amooooo tudo (ou quase tudo) o que tem relação com os japoneses. Sua cultura, sua paciência e organização. O jardim era lindo de morrer e, apesar da pressa por termos deixado os maridos do lado de fora, conseguimos aproveitar tudo e clicar muitas outras poses.








Quando saímos, estávamos famintos. Pegamos um táxi (ufa!) e fomos para Puerto Madero , no Restaurante Siga la vaca. É tipo a nossa churrascaria mas com algumas peculiaridades... A bebida é colocada em jarros na mesa e a carne vc pega numas tigelas que são colocadas perto do buffet. É o nosso self service. A carne não estava tão deliciosa quanto o do Cabana Las Lilas e o preço também não se comparava, é claro!
Saímos de lá e fomos caminhando pela lateral dos restaurantes, até que encontramos o Casino Flutuante Puerto Madero. Na curiosidade, entramos e nos sentimos naqueles filmes, onde todo mundo desconfia de todo mundo, seguranças ficam espalhados e disfarçados e muito, muito cigarro!
Saciada nossa curiosidade, bora começar  a correr. Pegamos outro táxi, demos uma parada rápida na Basilica Nuestra Senora del Pilar, agradecemos ao passeio, às pessoas que estavam tomando conta dos nossos pimpolhos e fiz meus três pedidos. Ao lado, o ponto turístico mais estranho que já vi, o Cemitério de Recoleta (aonde está enterrada Evita Perón, conhecida como "mãe dos pobres" e muito respeitada e lembrada até hoje.

Entrada do Cemitério
Voltamos, rapidamente pro hotel, tomamos banho, fechamos a conta e partimos pro aeroporto!

Essa viagem me deixou com gostinho de quero mais. Pouco tempo e muita coisa pra se conhecer. O melhor de tudo é que é uma viagem barata para um casal e bem diversificada. Amei!
Ela será inesquecível, sempre! Foi a primeira viagem internacional do Bob, a nossa primeira viagem sem as crianças para um lugar tão longe, enfim várias novas emoções. Foi incrível!

Aproveito para agradecer mais uma vez a companhia de amigos tão queridos, ao meu marido pelos sentimentos de alegria, emoção e paixão que pudemos vivenciar, à minha mãe que cuidou dos meus filhotes como se fosse eu e à Deus por nos trazer de volta felizes da vida e cheios de vontade de repetir a dose.

Espero que tenham gostado e.....até a próxima!